1 de out de 2010

Se você tem um PS3: JOGUE ESSAS MERDAS!!!!


 Hey mothefuckers! Bem-vindos de volta ao Evil Monkey blog!
 Eu estava pensando em fazer um titulo mais sutil para esse post, mas eu estava jogando Deamon's Souls dois segundos atrás e a adrenalina proporcionada varreu qualquer traço de sutileza do meu corpo.
 Bem, a não ser que você seja mentalmente retardado você deve ter percebido que esse post se trata de alguns dos jogos que você deve jogar caso você tenha um ps3.
 Não é um top 10, um top 10 exige concentração e responsabilidade para fazer boas escolhas, um top de uma pessoa raramente é igual ao de qualquer outra, então eu vou fazer apenas algumas recomendações.
 Antes de tudo, nesse artigo eu vou falar principalmente de jogos exclusivos, podem ter um ou dois jogos multi-plataforma, mas o grosso é uma experiência que só o ps3 pode proporcionar.
 Ou seja, eu estou mandando um dedo do meio enorme para a metade dos meus leitores (uns dois ou três, sejamos francos...).
Uncharted 2
 Esse foi o primeiro jogo que eu comprei para ps3, foi comprado totalmente no impulso (eu nem aluguei antes), mas valeu a pena.
 Deixe-me deixar algo muito claro, esse jogo chega muito próximo a perfeição em todos os aspectos.
 Dublagem? Soberba, Nolan North faz a voz de Drake (o protagonista) e ele é ótimo, todos os outros personagens do elenco são ótimos.
 Gráficos? Também soberbos, a neve reage com precisão a cada um dos seus passos, a água é maravilhosa, os modelos de personagem são detalhadíssimos e muito bem-animados e os ambientes são de encher a vista.
 Jogabilidade? Um estouro, o jogo é ágil e estratégico, sempre te motivando a usar a tridimensionalidade dos ambientes, os controles são precisos, simples e intuitivos.
 História? Muito rica e envolvente, os personagens são profundos, humanos e gostáveis, a história está sempre te levando a lugares espetaculares sem nunca sentir como se tivesse forçando a barra e os diálogos são bem-escritos, envolventes e traduzem muito bem o que o jogador está pensando na hora, além de até te darem umas dicas do que fazer caso você esteja meio confuso.
 Misture isso tudo com um ótimo multiplayer on-line e temos um jogo que você vai continuar jogando mesmo muito tempo depois de ter comprado.
 Porra, eu ainda jogo, e esse foi o primeiro jogo que eu joguei no ps3.
Heavy Rain: The Origami Killer
 Uma coisa que poucos dão valor no ps3 é a sua variedade.
 O 360 tem quatro bilhões de shooters e uma meia dúzia de bons jogos de outro gênero.
 O Wii tem um trilhão de jogos de minigames para pessoas mentalmente atrasadas, uns 10 bons jogos da Nintendo e o No more heroes.
 Por mais que o ps3 tenha uma larga cota de shooters, ele é o único console além do DS e do Psp com uma quantidade respeitável de Rpg's, mas o mais importante, no ps3 temos jogos que não se encontram em nenhum outro lugar.
 Heavy Rain é um desses jogos.
 Basicamente, o jogo conta a história do assassino do origami, um assassino que mata crianças, afogando-as na água da chuva, e depois põe uma orquídea em seu peito e um origami em sua mão.
 Você joga com 4 personagens: Ethan Mars, cujo filho pode ser a próxima vítima do assassino; Madison Paige, uma jornalista tentando descobrir mais sobre o caso; Norman Jayden, um agente do FBI investigando o assassino e Scott Shelby, o detetive contratado pelas famílias das vítimas.
 A interação com o ambiente é espetacular, o jogo é mais que um quick time event gigante, o que te põe sempre no meio da ação, os movimentos que você faz com os controles sempre tentam parecer o máximo com os da vida real.
 Para definir bem esse jogo, eu posso dizer que é um isto de god of war, grim fandango e um livro de Dean koontz.
 Mas a graça mesmo de Heavy Rain é a sua história.
 Mesmo não sendo perfeita e tendo alguns furos, a história de Heavy Rain vai até onde poucos jogos foram, você se apaixona por aqueles personagens, sofre com eles e deseja que eles sejam felizes no final.
 É uma história que tenta muito proporcionar algo nunca feito em um game, e olha, consegue...
 Em suma, jogue.
 E não adianta Kaum, eu não vou citar o seu maldito review de Heavy Rain, eu queria fazer primeiro!
 ...
 ...
 D'oh!
inFAMOUS
 Bem, como eu posso descrever inFAMOUS em uma frase...?
 É um daqueles jogos que você pode falar durante uma hora e meia e ainda vai ter assunto sobre ele.
 Bem, o jogo conta a história de Cole: um simples entregador na cidade de Epire city, um belo dia cole estava levando um pacote quando do nada...
 KABOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOM!!!!!!!!!!!!
 O pacote explode com Cole no epicentro da explosão, mas ao invés de mata-lo a explosão lhe da super poderes elétricos!
 Não só isso, a explosão fez o governo botar Empire city em quarentena e deu poderes para varias outras pessoas na cidade, que se dividiram em três facções: os Reapers, uma ex gangue que agora controlam o distrito de Neon; Os Dustman, ex mendigos que agora dominam o distrito Warren e os First Sons, os aparentes responsáveis pelo pacote que explodiu nas mãos de cole e o deu poderes, a Ray Sphere, e controlam o distrito histórico.
 Para poder escapar da quarentena Cole faz um trato com Moya, uma agente do FBI tentando encontrar o seu marido e começa a fazer missões para ela.
 A jogabilidade é quase perfeita, utilizar os vários poderes é fácil e instintivo, pois são todos muito bem-mapeados no controle.
 Na boa, que mapeou os controles de inFAMOUS foi um gênio, esse é o melhor aspecto do jogo.
 São 17 poderes ao todo! Que você vai ganhando ao longo do jogo, sendo que um é um DLC e o outro é conseguido fazendo missões secundárias E mesmo com essa quantidade massiva você nunca sente como se você tivesse algo que você não fosse usar, todos os poderes tem uma ocasião perfeita.
 Você tem um excelente sistema de Parkour (movimentação fluida que permite escalar prédios altos e saltar de um lugar para o outro) que faz o grande tamanho de Empire City parecer pequeno, dada a velocidade que você se locomove pelos ambientes.
 O ambiente também e muito bem-trabalhado, os grafícos são muito bons para um Sandbox (jogo de mundo aberto) mas o que vai mesmo te cativar é o design da cidade.
 Houve uma explosão massiva na cidade, e isso fica claro em segundos, prédios destruídos, mortos pelas ruas, pessoas implorando para que você ressuscite um ente querido (cole pode funcionar como um desfibrilador humano), outros apontando para aonde existem inimigos, todo isso te imerge na situação de cole e dos habitantes da cidade.
 "Macaco todas essas coisas parecem muito interessantes, mas a graça de inFAMOUS parece ser mesmo o sistema de Karma."
 Bem, é, mas não é.
 Como já dito, Cole tem um sistema de karma, quando você faz coisas boas você ganha karma positivo, quando você faz coisas ruins você ganha karma negativo.
 Você ganha uma habilidade disponível apenas para que é bom e uma para quem é mau.
 Além de que os poderes funcionam ligeiramente diferente dependendo do seu karma.
 Não só isso, o karma influi no jeito que você joga, se você for bom, os policiais trabalham junto com você, seus raios ficam azuis, a cidade fica mais limpa e tal como as roupas de Cole.
 Mas você não pode sair lutando sem se preocupar com os civis inocentes.
 Já quando você é mal a cidade fica suja, cole fica com roupas encardidas e uma cara pálida, seus raios são vermelhos e você pode lutar sem dar a mínima para qualquer um a sua volta.
 Mas os policiais, assim como todos os outros habitantes da cidade, vão ficar contra você.
 Isso é ótimo, te dá muito incentivo para jogar de novo e ver como são severas as mudanças.
 Mas o problema do karma, é que algumas decisões são bem ridículas.
 Por exemplo, um cara está bloqueando uma porta, ele bloqueia pois pensa que a sua esposa está viva e sequestrada pelo inimigo e se ele deixar você entrar ela será morta.
 Mas ele não sabe que ela já esta morta, então você tem a escolha de mata-lo ou contar sobre a sua esposa.
 Na boa, desculpe sucker punch (desenvolvedora do jogo), mas essa decisão é ridícula.
 Você está escolhendo entre ser um sádico ou um cara normal, e algumas decisões são entre participar do jogo ou ignorar o que está acontecendo.
 Claro, tem umas duas ou três decisões com um peso maior, até o grosso das decisões são melhores do que isso, coisas como ajudar um policial em troca de shards (uma espécie de colecionável que aumenta a sua capacidade de armazenar energia) ou mata-lo e pegar as shards de graça, mas tem muitas que simplesmente não são interessantes.
 Não são ruins, só não são boas.
 Seria mais legal se eles tivessem feito as coisas menos "preto-e-branco" algumas decisões ambíguas, algumas boas que acabariam te punindo ou fazendo você se passar por vilão aos olhos de todos, ou até algumas que não tivessem respostas certas, como as de mass efect 2 por exemplo.
 Mas isso é um pequeno preço a pagar por um jogo excelente em todos os aspectos.
 Ah, e se lembram que eu disse que eu poderia ficar falando uma hora e meia sobre inFAMOUS? Notem que eu falei mais sobre ele do que eu falei sobre dois jogos inteiros.
 Porra, esse resumão que eu fiz agora (e acredite, é um resumão) tem o tamanho de quase um post inteiro.
 Jogue inFAMOUS, você não vai se arrepender.
 É uma experiência chocante, sem dúvida.
 HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH!
 ha...
 ...eu me odeio...
LittleBigPlanet
 Crie, compartilhe e jogue, esse é o mantra de LitteBigPlanet.
 À primeira vista pode parecer apenas um SideScroller com algumas poucas diferenças, mas basta você conectar o seu ps3 à psn e você verá um planeta aonde tudo é possível.
 Eu estou falando sério.
 O "pulo do gato" de LittleBigPlanet é o seu editor de níveis, basicamente tudo o que te der na telha, com um pouco de boa vontade, pode ser feito, sem necessidade de programação, sem se preocupar com gráficos ou markating, história ou qualquer coisa que os game-designers tem que se preocupar.
 Tudo o que você precisa fazer é planejar os níveis.
 Mas criar níveis seria muito chato se você só pudesse mostrar para uns amigos, e é por isso que você pode postar quantos níveis quiser na psn, para todos jogarem.
 Eu admito que eu só aluguei LBP por seis dias, eu ia comprar, mas resolvi esperar pelo dois. Mas nesses curtos três dias eu vi alguns níveis que só podem ser considerados obras de arte.
 Sério, alguns níveis são brilhantes.
 Eu admito que criar níveis pode ser difícil no começo, e criar níveis complexos pode levar semanas, mas uma vez que você pega o jeito, bem, o céu é o limite.
 Ah, e um detalhe, todas as ferramentas que os game-deigners usaram para fazer esse jogo eles deram para os jogadores.
 Os gráficos são ótimos, tudo parece de pelúcia e as animações são boas, os Sackpersons (os personagens que você controla) são muito customisáveis, o jogo inteiro é narrado por Stephen Fry, que é fantástico e a trilha sonora é maravilhosa, depois de Scott Pilgrim Vs The World: The Game a melhor no playstation 3.
 E finalmente tem o multiplayer, como eu posso descrever...
 Bem, é melhor se você jogar off-line, primeiramente.
 Agora imagine quatro crianças de sete anos  rindo incontrolavelmente, implicando uns com os outros, fazendo bobeira, sabe, apenas se divertindo.
 Coisas banais como poder dar um tapa no seu amigo fazem toda a diferença e nada melhor do que poder  matar um dos seus amigos "por acidente", jogando-o em um abismo, ou o segurando em uma hora que é importante correr, em suma, um dos melhores multiplayers que eu já joguei.
 E um dos jogos mais únicos da história.
Mafia 2
 Na boa, esse jogo foi injustiçado pra caralho pela mídia.
 O site IGN deu 7 pra esse jogo que na minha opinião não deveria ganhar manos que um 8,5.
 Eu daria 9.
 Tirando algumas (poucas) exceções eu não vi o motivo de toda essa reclamação, deixe-me resumir, os críticos estavam errados, máfia 2 é um dos melhores jogos do ano e é uma injustiça negar-lhe esse direito.
 A história de mafia 2 é soberba, ela fala de Vito Scaletta, um descendente de sicilianos que quando foi pego assaltando lojas foi obrigado a ir para o exército e lutar na segunda guerra mundial.
 De volta para casa Vito descobre que a sua família deve para um agiota local dois mil dólares, então ele pede ajuda para o seu amigo Joe Barbaro, que trabalha para a máfia local, e acaba arrastando Vito para esse mundo.
 Não que Vito não queira a princípio, ele precisa do dinheiro, mas com o tempo você percebe que Vito está mais querendo sair, só que ele foi muito fundo nisso para simplesmente abandonar essa vida.
 Nada é preto-e-branco, em um momento você está bebendo com um cara legal, e no outro ele está fazendo uma coisa horrível, bah, até o próprio Vito faz coisas assim
 O jogo tira todo o glamour apresentado no primeiro Mafia e mostra uma história mais próxima da realidade, traição, cobiça, assassinatos e mentiras são uma grande parte da história.
 Quase todos os sites que eu visitei malharam a jogabilidade, eu não vi da aonde eles tiraram isso.
 Dirigir é fácil, e responde muito bem, basta prestar um pouco de atenção que você poderá dirigir por várias horas sem bater e os controles são realistas apenas na medida certa, em suma, dirigir é ótimo. E com a adição do limite de velocidade automático, você quase sempre fica na velocidade correta para cada rua.
 O combate corpo-a-corpo também é ótimo, mesmo que desencorajado durante a maior parte do jogo, ele é tático, veloz e até utiliza um pouco o ambiente ao seu redor.
 Atirar, e todos os aspectos da jogabilidade ligados a isso não ficam atrás, o sistema de cobertura funciona bem (mesmo que não tenham algumas das opções presentes em outros jogos) e os inimigos não levam muitos tiros antes de morrer, assim como você. Os tiroteios são rápidos, frenéticos e estratégicos, e devem muito ao ótimo design de níveis.
 E por fim, a ação furtiva é muito boa, uma pena que só tem umas três fases dessas no jogo.
 Não que Mafia 2 seja perfeito, o sistema de Checkpoints no mundo aberto poderia melhorar, você dirige o TEMPO TODO (até para ter que fazer coisas banais, como ir dormir) e a despeito do mundo aberto, não se tem muitas coisas para se fazer, tudo no jogo se resume às missões.
 Mas as missões são fodas, então você vai se divertir.
Metal Gear Solid 4: Guns Of The Patriots.
 Eu ia falar algumas coisas desse jogo, mas se você ainda não sabe que esse é um dois melhores jogos de todos os tempos você deveria comer a própria cara.
 Simplificando: esse jogo é perfeito.
Batman Arkham Asylum
 "Tarado, botou a foto da Harley Quinn né?"
 Olha, se você não é capaz de apreciar a arlequina vestida de enfermeira então não tem esperança para você.
 Bem, eu sei que eu devia botar uma foto do Batman, o jogo é dele, mas raios, o blog é meu e eu estou ralando para fazer esse maldito post, então eu vou por a merda da foto da arlequina e ponto final.
 História: O Coringa começa uma rebelião no asilo Arkham, utilizando uma espécie de agente químico que deixa as pessoas (mais) loucas (do que já são normalmente).
 E cabe ao nosso herói mascarado salvar o dia!
 Primeiramente, vamos aos defeitos, bem, o único defeito que eu consigo ver em Arkham asylum é o sistema de combate, não é ruim, mas não é lá muito bom, basicamente aperte quadrado como se a sua vida dependesse disso e você não terá problemas em lidar com 70% dos inimigos.
 Basicamente, o jogo faz quase todo o trabalho por você.
 De longe as melhores partes são as de ação furtiva, que são o polar oposto das partes de luta, nelas você tem que planejar com cuidado cada um dos seus movimentos antes de continuar, você tem que assustar os seus inimigos, cerca-los, separa-los e derrota-los um a um. Essas partes são muito excitantes, e é impressionante o número de ferramentas que você tem disponível para usar.
 Esse é outro jogo que tem um mapeamento de controles brilhante.
 O último elemento da jogabilidade de Batman são os puzzles, e na boa, esses são alguns dos melhores, e mais únicos, puzzles que eu já vi.
 Destaque para as charadas do Charada, ótimas, extremamente divertidas de se fazer e muito, muito viciantes.
 Algumas são simples, algumas são uma questão de explorar, outras de achar o mapa, mas algumas são muito complexas, capazes de fazer você ficar coçando a cabeça por horas, mas quando você as resolve a satisfação é imediata.
 Em suma, fodástico.
Deamon's Souls
 Ok, eu sou suspeito pra falar desse jogo, pois eu não zerei nem a segunda fase.
 Por que, você pergunta? Oras, esse jogo é difícil pra caralho, sério.
 Primeiramente, sem Checkpoints, nenhum. Morreu? Além de votar na forma de alma e ter apenas uma fração da sua energia total, você ainda tem que começar do início da fase. E o pior, esse é um RPG, sendo assim você coleta experiência, nesse caso, Souls, mas caso você morra, em qualquer lugar da fase, você perde todas as souls que você ainda não aplicou, TODAS.
 O jogo te da uma colher de chá deixando que você recupere as suas almas se você conseguir voltar ao lugar que você morreu, mas morra de novo sem voltar para o início da fase e você perde todas para sempre.
 E com exceção do seu equipamento (que você não pode vender) as souls são tudo o que você tem, elas servem para aumentar o nível do seu personagem, reparar o seu equipamento, comprar itens de cura, comprar itens de outros tipos e comprar as suas armas.
 Perde-la é um luxo que você não pode correr.
 Mas o jogo não se limita a isso para dificultar a sua vida, nãããããããão, Deamon's Souls não te dá folga, após morrer em um nível, os monstros do mesmo ficam ainda mais fortes.
 Mas o jogo também é muito gratificante, após punir os seus reflexos lentos, a sua prepotência, a sua imprudência, a sua burrice, a sua falta de estratégia, a sua inocência e a sua falta de praticidade Deamon's Souls te molda melhor.
 Ele te quebra para te reconstruir mais forte.
 Cada morte é uma nova lição, cada segundo vivo é um triunfo, Deamon's Souls te mostra que você não é nada, só mais um na multidão, te faz humilde, cauteloso e forte, respeite o jogo, siga as suas regras e...bem, você ainda vai morrer, e muito, mas ao menos você começa a fazer progresso.
 Desrespeite o jogo...então boa sorte
 Bem, eu falei muito da dificuldade mas eu não disse nem duas palavras sobre a essência do jogo.
 Deamon's Souls é um RPG de ação com um esquema de controles similar ao de Zelda.
 Você mira em um alvo, ataca, bloqueia, usa itens, essas coisas.
 Mesmo assim, poucos jogos tem tão pouco em comum com Zelda.
 A barra que você provavelmente vai olhar mais (depois da sua barra de vida) é a sua barra de stamina, é ela que determina a eficiência do seu bloqueio, a sua capacidade de atacar, a sua capacidade de esquivar e a sua capacidade de correr.
 Caso a sua barra de stamina chegue a zero o melhor é se afastar do inimigo e esperar recarregar, pois, mesmo que você esteja bloqueando, quando o inimigo atacar você sofrerá dano, e será deixado exposto para mais um ataque.
 Você também tem uma barra de magia, mas já que eu não usei uma classe mágica eu não experimentei o seu funcionamento.
 O combate é rápido e estratégico, você pode ganhar de praticamente qualquer inimigo no mano-a-mano, mas raramente eles vem assim, as vezes são grupos pequenos, outras vezes eles são muito numerosos. Isso cria uma alta estratégia nos combates, além de se preocupar em matar os seus inimigos você ainda tem que garantir a sua retaguarda, procurar um bom posicionamento e bloquear (ou esquivar dos) ataques.
 Em Deamon's Sous timing e posicionamento são tudo.
 Outra coisa que é muito foda é o multiplayer on-line.
 Além de poder percorrer uma dungeon com outros três jogadores sem absolutamente nenhuma punição por morrer e com a mesma quantidade de inimigos você ainda pode deixar mensagens para os outros jogadores.
 Não só isso, você pode ver as almas de pessoas que estão na mesma fase que você e, se quiser, tocar as chamadas bloodstains, que permitem que você veja os últimos segundos de vida de outra pessoa.
 Mas uma das coisas que soaram mais legais (e que eu infelizmente não tive a chance de testar) é a capacidade de invadir a partida de outros jogadores, mata-los e assim poder voltar a vida.
 A interação da campanha com o multiplayer faz de Deamon's Souls um dos jogos mais revolucionários do ano passado.
 E, junto com a grande dificuldade (algo raro hoje em dia), Deamon's Souls é um dos jogos mais únicos dessa geração.
 Tão logo eu tenha dinheiro eu vou comprar esse jogo.
 E assim termina a minha revisita ao Playstation 3, eu poderia falar de mais jogos, mas esse texto já está grande pra burro e eu estou morrendo de sono.
 Se você acha que tem um jogo que eu devo falar no meu próximo post apenas digam nos comentários que eu vou tentar jogar, "This article aint over yet!".
 E caso vocês tenham um 360 criem vergonha na cara e vão comprar um ps3, já passou da hora de perceber que a única coisa que esse jogo pode prover são shooters e luzes vermelhas.
 Sim, eu sou um filho da puta parcial e intolerante, me processem.
 E até o próximo post, quando eu vou falar de...de...
 ...
 #...buffering...#
 Eu vou por a minha vida em risco em um artigo que provavelmente não vai agradar a absolutamente ninguém.
 Então até lá!

10 comentários:

Lucas Sena disse...

Sem God of War 3? Herege!

*Taca água benta*

Robozinho disse...

Concordo com o Lucas como vc esqueceu de god of war.

Jack, The Ripper disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jack, The Ripper disse...

Tenho um "Playstation 3" e concordo plenamente com a colocação de tais jogos nesta lista - apesar de só ter virado o "Uncharted 2" e o "Metal Gear Solid 4" destes jogos.

Este "Metal Gear", além de ter um incrível modo para um jogador, desfruta de um incrível - e extremamente viciante - modo online. De fato, qual seria o nome de seu personagem de jogo neste modo? Que tal se nós trocarmos alguns tiros por meio deste "game"?

Porém, penso eu que muitas perólas do console faltaram neste pequeno catálogo - caso de "God Of War III" e "GTA IV", apesar deste último não ser exclusivo para "PS3".

Vagabundo da Lei disse...

Zerei a maioria dos jogos q vc citou, os q não zerei são Heavy Rain, LittleBigPlanet e Demon's Souls.

A lista ficou bem bacana. Um jogo q eu curti muito foi o Killzone 2, o singleplayer é uma bosta, mas o multiplayer é fodônico.

Sobre God of War III... confesso que fiquei um pouco decepcionado com o jogo. Ele é bom, mas, esperava mais.

Enfim, belo artigo macaco, continue assim.

Kaum disse...

vc simplesmente comentou todos os jogos que eu quero ter pro ps3 (um ou outro eu já tenho)..

uncharted 2 eu peguei a demo dele, é simplesmente divino..
eu ia comprar, mas acho q vou pegar o 1 primeiro...

batman eu tamebm peguei a demo e tenho muita vontade de comprar (ainda por cima por que vai sair o 2, ai vão abaixar o preço dele, hehe)

LBP eu joguei o do psp, e devo dizer que é quase perfeito..
digo "quase" por que nunca joguei on-line, que deve ser 80% da graça do jogo
(e finalmente descobri o nome do narrador.. eu queria saber se era ele mesmo, por que vi ele fazendo uma ponta em "Bones" e reconheci a voz)

infamous eu ia comprar hoje..mas num tinha na loja.. ¬¬

mgs4 é perfeito..num tem nem o que falar

demon's souls é um q eu realmente quero comprar..deve ser cruel...

e, sobre Heavy Rain, só uma palavrinha:
HA!
(to famoso, to famoso!)

e assino em baixo..
se vc tem um 360, tome vergonha na cara e compre um ps3.
e se vc tem um wii..vc num tem mais motivos pra viver nesse mundo..
hehe


ps:
nem curto god of war

Evil Monkey disse...

Na boa, eu estou surpreso comigo mesmo por não ter falado de GoW, eu tinha praticamente planejado esse artigo pra ele.

Não sei o que deu em mim, eu estva com muito sono na hora, havia jogado Deamon's Souls demais e a minha cabeça estava meio fora do lugar.

MALDITOS SEJAM TODOS OS DEMÔNIOS, MALDITOS SEJAAAAAAAAAAAAAAAAAAM!

Prometo que ele vai encabeçar o próximo artigo.

Só não me matem, ok?

Jack, eu ainda não testei o multiplayer de mgs4, por pura preguiça de criar uma conta na Konami, eu achei que não haveriam muitas pessoas jogando On-line, mas pelo que disse, isso não é um problema.

Sendo assim, eu te aviso assim que eu criar.

Vagabundo da lei, eu jooguei KIllzone 2, e não gostei muito do multiplayer naquela vez, mas acho que foi graças a um lag que ocorreu no dia.

No momento em que eu voltava ao jogo após morrer eu estava cercado de inimigo por todos os lados e não era capaz de sair dali.

mas como eu disse, provavelmente era um bug que ocorreu na hora.

A verção de LBP do psp n tem multiplayer, e foi a maior crítica que essa versão sofreu, merecida, por sinal.

Mas o jogo não é o mesmo, são dois jogos completamente diferentes entre si, cada um tem fases objetos e stickes únicos.

Mas até aonde parece, as fases de LBP de psp ssão tão boas quanto as da versão de ps3.

E Deamon's Souls é cruel,
VOCÊ
NEM
IMAGINA.

O 360 valeria um pouco a pena, se não tivesse o ps3 no mercado.

o wii até vale a pena, se você for contra emuladores e fã de uma meia dúzia de jogos bons.

Lucas Sena disse...

Meia dúzia? O wii tem 3 jogos bons! (Eu sei porque tenho um Wii e um Xbox 360...por favor não me matem).

Até hoje eu não joguei o Metal Gear Solid 4, mas também nunca ouvi uma unica pessoa falando mal desse jogo. Bom, no dia em que dinheiro chover do céu e eu comprar o meu PS3 eu vou comprá-lo juntamente com Heavy Rain...

Sasoriman disse...

God Of War morreu quando lançaram Bayonetta. *Leva pedradas*

Ok, exagerei aqui, mas... Embora GoW seja um jogo obrigatório pra quem tem PS3, ele não é tão bom assim. *Leva mais pedradas*

...Ele ainda é legal pra cassete, acalmem-se.

Enfim, fico decepcionado com o 360. A Microsoft, ao invés de apostar em outros exclusivos e talz, aposta em... Halo. HALO! HALO É UMA BOSTA! Comprei meu 360 por Gears Of War, L4D e Mass Effect. Jogo o Wii da minha mãe e ele tem menos de 10 jogos bons.

Mafia II foi criticado pelo mundo aberto ser muito, ahn, fechado. Enfim, vou ter meu PS3 e 3DS então, estou de boa.

Aliás... CADÊ RED DEAD REDEMPTION!? Não é exclusivo, mas Batman Arkham Asylum e Mafia II também não são! WHERE THA FUCK IS... RED DEAD REDEMPTION!?

Sasoriman disse...

Macaco, falando em PS3, uma pergunta:

Vale a pena vender um PS2 por um PS3? Acho que é isso que vou ter de fazer se eu quiser meu PS3... Mas só de lembrar de minhas horas com meu querido amigo... *Quase chora lembrando de Persona 4.*

Visualize seu IP

Sign by Danasoft - For Backgrounds and Layouts